top of page

Google veta anúncios políticos para as eleições de 2024

Desinformante - 24 de abril de 2024



O Google anunciou que não permitirá a veiculação de anúncios políticos no Brasil nas eleições deste ano. A medida foi anunciada pela empresa nesta quarta-feira (24) e, a partir de maio, a política de conteúdo político do Google Ads será atualizada. A plataforma alega que a mudança acontecerá “tendo em vista a entrada em vigor das resoluções eleitorais para 2024”, aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral em fevereiro deste ano.


“As eleições são importantes para o Google e, ao longo dos últimos anos, temos trabalhado incansavelmente para lançar novos produtos e serviços para apoiar candidatos e eleitores”, disse a empresa em posicionamento oficial enviado ao *desinformante. “Temos o compromisso global de apoiar a integridade das eleições e continuaremos a dialogar com autoridades em relação a este assunto”, completou o Google Brasil, via assessoria de imprensa.


Bruno Mattos, pesquisador do Laboratório de Estudos de Internet e Redes Sociais (NetLab/UFRJ), concorda que a veiculação dos anúncios políticos não é por si só negativa, mas que devem existir medidas efetivas para impedir a segmentação discriminatória de usuários e garantir que sua circulação seja transparente e passível de ser auditada por cidadãos, pesquisadores e autoridades públicas.


“O caso do Google não é inédito, já que diversas plataformas decidem limitar a transparência dos dados dos anúncios que são veiculados nelas justamente a partir de um suposto veto à publicidade política. É o caso do Twitter, que decidiu que encerraria o acesso a seu repositório de publicidade, alegando que este se tornaria desnecessário com sua decisão, já revogada, de proibir o impulsionamento de conteúdo político”, explica Mattos.


O pesquisador também revela que a falta de uma definição sobre o que é um anúncio político – os conceitos podem variar de plataforma para plataforma, por exemplo – traz uma barreira à transparência. Além disso, destaca Mattos, o veto a esses conteúdos não garante por si só a sua não circulação. “É seguro dizer que o veto a anúncios políticos nos termos de uso do Google não necessariamente surtirá o efeito esperado, da mesma forma que a proibição de anúncios abusivos e irregulares não impede que usuários frequentemente sejam vítimas deles, por exemplo. Caso seu atual repositório de anúncios deixe de ser atualizado, será muito difícil avaliar se a empresa de fato irá cumprir com sua decisão”, analisa.



Acesse o relatório


Estudo de Caso - Atividade de Perfis Inautênticos no X
.pdf
Fazer download de PDF • 3.46MB




Comments


bottom of page