top of page

YouTube voltou a recomendar Jovem Pan depois de campanha durante eleições

Agência Pública - 05 de dezembro de 2023



Pouco antes do primeiro turno das eleições, um estudo acadêmico mobilizou as redes sociais: nele, pesquisadores do NetLab, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), demonstravam que o algoritmo do YouTube privilegiava a Jovem Pan, incluindo conteúdos de desinformação, na sua aba de “vídeos recomendados”.


Os dados preliminares foram publicados pela jornalista Patrícia Campos Mello na Folha de S.Paulo, o que gerou mobilização nas redes e uma campanha contra a Jovem Pan, que de fato levou a intervenções no sistema de recomendação das plataformas.


Nos dias seguintes, os vídeos da Jovem Pan passaram a ser menos recomendados e o YouTube começou a publicar em sua página inicial banners que levavam a conteúdos confiáveis ​​sobre as eleições de 2022.


Entretanto, segundo o estudo completo, publicado na revista acadêmica Policy & Internet, essa mudança de recomendação durou pouco tempo e os vídeos da Jovem Pan voltaram a ser até mesmo mais recomendados do que antes.


“Com base em nossas descobertas, levantamos a questão do que motiva o viés sistemático nas recomendações do YouTube. Especulamos que existem acordos comerciais opacos e estratégias de negócios em jogo, com base na suposição de que as decisões de recomendação da plataforma têm um ‘efeito publicitário’ de patrocínio e endosso aos usuários”, escrevem os autores do estudo, os pesquisadores Rose Marie Santini, Débora Salles e Bruno Mattos.


Para a diretora do NetLab, Rose Santini, “devido ao modelo de negócios das plataformas digitais, elas acabam sendo sócias dos fabricantes de fake news, porque os ajudam a monetizar com conteúdo falso e ficam com parte dessa monetização”.



Acesse o relatório


Recomendação no YouTube caso Jovem Pan (NetLab, 2022)
.pdf
Download PDF • 4.02MB

Commentaires


bottom of page